Leitura: I Dreamed of Africa, Kuki Gallmann


Um livro velho, publicado em 1991, que eu achei na livraria do projeto The Kindness Offensive em um dia que estava lá como voluntária (nessa livraria todos os livros são de graça, é só ir e pegar o que você quiser, juro! Escrevi mais aqui). Foi uma coincidência muito feliz, pois eu havia acabado de terminar o livro Mulheres Viajantes, e dei de cara com esse, sobre uma mulher que resolve ir para o Quênia e morar lá.

Kuki Gallmann foi morar na África nos anos 70 junto com o seu marido, Paolo, e seu filho, Emanuele. Italianos, deixaram para trás a vida privilegiada e foram buscar no Quênia o que não tinham na Itália: um propósito, uma conexão com a terra. Kuki conta toda essa história (que na verdade começa quando ela era apenas uma criança, passa pelo seu primeiro casamento, o nascimento do filho, a separação, o acidente que a uniu a Paolo e finalmente a resolução de ir atrás da vida nova muito longe de sua terra natal) de uma maneira incrível. Eu já havia lido algumas biografias, mas nenhuma autobiografia, e talvez essa seja a grande diferença.

É uma história linda, mas nem por isso é felicidade do começo ao fim. Nós acompanhamos as vitórias e também as fatalidades. Eu chorei muito, mas muito mesmo, e não achei que ela forçou a barra na hora de contar as tragédias.

Obviamente que eu já pesquisei muito sobre ela. Hoje em dia Kuki e sua filha Sveva são conservacionistas, ambientalistas e ainda vivem no Quênia, no mesmo rancho onde tudo começou. A diferença é que hoje em dia é possível se hospedar na reserva natural Ol Ari Nyiro, onde fica o rancho e o HQ da Gallmann Memorial Foundation (fundação criada por ela).

Sei que inclusive existe um filme estrelado por Kim Basinger baseado nesse livro, mas eu olhei o trailer e já vi que rola um super twist na história, então não sei se vou assistir. Mas enfim, vou ali comprar um guia do Quênia. Até agora não estava nos meus planos de curto prazo ir para a África, mas esse livro mudou tudo.

Olimpíadas


Tem até uma categoria aqui no blog chamada "Olimpíadas", e se você clicar vai encontrar todos os meus posts de Londres 2012. Não consegui escrever nada sobre Rio 2016 pelo simples fato de estar morrendo de inveja. Acho que a gente nunca acompanha as Olimpíadas do mesmo jeito depois de presenciar uma tão de perto.

Vi o que o fuso horário permitiu (só consegui ficar acordada até muito tarde pra ver a abertura, quando terminou eram 4 da manhã aqui), e até assisti algumas coisas pelo app e pelo site da BBC. Mas não senti a mesma empolgação que sentia antes de 2012. Não sei explicar. Toda vez que vejo os snaps e instagrams e postagens no Facebook me dá uma saudade danada do que vivi aqui há 4 anos. Uma super inveja da atmosfera maravilhosa do Rio de Janeiro, dos amigos e parentes curtindo tudo in loco.

Fiquei super orgulhosa do meu país e dos nossos atletas. Com ou sem medalha, são todos incríveis. Dessa vez fiquei de olho no desempenho das mulheres em particular, e foi maravilhoso ver tanta mulher despontando e fazendo dessas Olimpíadas as Olimpíadas das mulheres.

E achei sensacional também o desempenho do país que é a minha casa. Que legado de 2012 eles levaram! Sua melhor Olimpíadas fora de casa. Medalhas todos os dias, atletas simpáticos e muito, mas muito determinados a melhorarem suas marcas.

Eu espero que a cidade escolhida para sediar os jogos de 2024 seja uma cidade na Europa. Caso eu ainda esteja morando por essas bandas, vou fazer de tudo para ver de perto.

Leitura: Mulheres Viajantes, Sónia Serrano


Ganhei esse livro de presente de uma amiga e ele imediatamente foi pro topo da lista. Acabei levando mais tempo do que costumo para terminá-lo porque ainda estou tentando criar uma nova rotina com as leituras depois que passei a trabalhar em casa, mas do meio pro final dei uma acelerada, pois ele fica ainda mais interessante.

Esse é um livro de não ficção, que conta a história de várias mulheres que, contrariando tradições e expectativas de terceiros, resolveram explorar o mundo. Mulheres que nasceram no século 18, 17, 16 e até muito antes disso. Cada uma teve sua razão, e cada uma viajou a sua maneira. Algumas se apaixonaram pelo Oriente, enquanto outras foram para a África diversas vezes. Algumas com recursos, outras sem dinnheiro no bolso. São histórias lindas, inspiradoras, mas infelizmente nem todas terminam bem.

Várias das mulheres retratadas no livro mapearam regiões ou descobriram espécies de plantas e animais. Algumas caíram no esquecimento enquanto outras são referência até hoje, pioneiras na escrita de viagem. Enfim, cada uma delas ajudou a quebrar barreiras e paradigmas, fazendo a nossa vida hoje em dia muito mais fácil do que a delas.

Mulheres viajantes: leiam!

A photo posted by 👻 snap: helorighetto (@helorighetto) on

Cadê o assunto que estava aqui?


Fugiu!

Eu fico agoniada quando vejo que a data da última postagem passa de uma semana, tenho a impressão de que estou omitindo fatos importantes da minha vida pra mim mesma no futuro. Os assuntos mais corriqueiros acabam indo pro Snapchat, e os anúncios importantes vão parar no Facebook ou Twitter.

Ah, uma coisa bacana é que eu lancei mais um guia : ) o primeiro da série 'Bate e Volta de Londres', sobre Oxford & Cambridge. Está a venda aqui, custa R$9,90 e está disponível apenas como ebook (o Guia de Londres continua firme e forte, tanto impresso como digital).

Estou envolvida com algumas organizações e fazendo trabalhos voluntários (conto mais outra hora), continuo fazendo os hangouts feministas com a Renata e escrevendo posts de viagem. Também tenho algumas viagens agendadas para os próximos meses, mas infelizmente o Brasil não está mais na lista, como era o planejado. por causa de burocracias para renovar o visto de residência do Martin que levam mais tempo do que deveriam. Mas enfim, faz parte.

Vou ali mas já volto!

Motivação pra correr pós meia maratona e férias


Depois que fizemos a meia maratona em maio, demos uma relaxada nas corridas (eu não gosto da palavra 'treino'). Não no sentindo de deixar de sair pra correr, mas sim de correr distâncias menores e sem tanta preocupação com o tempo. Parece que na meia a gente se desfez de um peso, sabe? Aquela coisa 'preciso provar pra todo mundo que eu consigo'.

Até aí tudo bem, só que vieram as férias na Sicília - 2 semanas de chinelo e biquini - e foi quando voltamos que realmente sentimos a diferença na motivação.

Antes deixa eu esclarecer: saímos de férias sem culpa nenhuma. Em nenhum momento cogitamos levar nossa roupa de corrida pra lá. A gente não queria correr e pronto, eram 2 semanas de férias de verdade! Sem preocupação. E, na boa, a corrida é uma preocupação sim, é um compromisso. É, pra gente, uma obrigação (ainda que a gente sinta satisfação no fim das corridas, a gente faz pela saúde, foi uma decisão totalmente baseada nisso).

Então, a volta. Olha, foi bem difícil. Só agora, quase um mês depois, o ritmo 'antigo' (pré meia maratona) está voltando. E o chato é que nesse 'limbo' a gente vai perdendo a vontade de ir correr. Porque sabemos que será demorado, dolorido, difícil. Aí a gente faz um percurso curto. Aí não progride. Sacou o ciclo?

Mas enfim, parece que estamos voltando para os eixos. E agora temos uma nova prova em vista (de 10km), o que sempre ajuda a manter a motivação (como falei em um dos meus primeiros posts sobre corrida). Os londrinos vão querer me matar, mas pra quem corre os dias frios são MUITO melhores - então eu espero que o dia da nossa prova seja um daqueles de outono com cara de inverno!

10 x 10


Em novembro de 2015, como contei aqui, estive no Porto para um fim de semana entre os colegas blogueiros. Esse encontro (Encontro Europeu de Blogueiros Brasileiros) foi decisivo pra mim: não apenas dei uma palestra sobre o meu Guia de Londres como também aprendi MUITO com os outros participantes. Saí de lá cheia de ideias e com um monte de amigos (e poucas semanas depois pedi demissão do trabalho, algo que estava ensaiando há um ano).

Bom, assim que voltei pra Londres comecei a tirar uma dessas ideias do papel. Conversei com outros blogueiros de Londres (todos brasileiros) e propus escrevermos juntos um guia de restaurantes da cidade, que então disponibilizaríamos gratuitamente para nossos leitores. Pra minha surpresa, todos aceitaram na hora.

No total, somos 11 blogueiros, de 10 blogs. É claro que quando se trabalha em um grupo grande e multitarefa existem atrasos e alguns imprevistos. Mas em nenhum momento nos desentendems. e olha que somos pessoas muito, mas muito diferentes.


O resultado saiu ontem: o guia digital "100 Restaurantes em Londres" está disponível para download! Basta clicar aqui e seguir as instruções. Cada blog se responsabilizou por um tema, e dentro de cada tema você vai encontrar sugestão de 10 restaurantes.

Eu espero que vocês curtam esse guia, estou tão orgulhosa dele! Acho importantíssimo reiterar a importância do coletivo, e de como estamos nos ajudando.  Cada um dos 10 blogs participantes tem um estilo próprio, e uma audîência fiel, que confia no que o blogueiro escreve. Assim, ninguém está roubando os clicks de ninguém. Estamos é ajudando nossos leitores a encontrarem ainda mais informação.

Enfim, baixem lá e prestigiem o trabalho dos meus colegas de guia (e amigos também!). E que esse seja apenas o primeiro projeto que realizamos em conjunto.

Surra de vídeo da Sicília


A gente demorou pra se animar a fazer vídeos das viagens, mas agora que descobriu... segura! Lá vai mais um... Esse editado por mim para o canal do Aprendiz de Viajante no YouTube.

Minhas 3 maiores dificuldades de trabalhar em casa


Esse mês completo 5 meses de 'vida nova de blogueira'. Agora finalmente me sinto mais a vontade com a rotina, mas tem 3 coisinhas que ainda não resolvi muito bem.

1. Alimentação: no escritório era fácil. Dava uma da tarde, eu ia buscar comida em qualquer lugar ali perto e pronto. Na pior das hipóteses comia um dos sanduíches saudáveis do Pret A Manger. Ou seja, almoçava até que direitinho, não deixava passar a refeição. Agora é claro, é diferente. Eu preciso fazer almoço. E cozinhar não é meu forte. Acho um saco mesmo, e não faço a menor questão de me aperfeiçoar. Tem dias que me saio bem, mas esses dias ainda são a minoria. Hoje por exemplo acordei e me dei conta de que não havia leite pra tomar café, então fui pro supermercado e já que estava lá comprei uma daquelas massas prontas, que só precisa por na água fervendo por 5 minutos. Isso já é um almoço bom, ok? Nem vou falar aqui dos dias que tomo 3 xícaras de café com leite e como umas fatias de pão com cream cheese. Pelo menos a janta é garantida, já que é função do outro habitante dessa casa.

2. Leitura: ah, como eu sinto falta dos meus 40 minutos de transporte público na ida e na volta do escritório, totalmente dedicados aos livros. Isso é que me faz mais falta da rotina de trabalhar em um escritório. Aí você pensa: ué, mas se você está em casa, pode ler a hora que quiser! Pois é... parece tão simples né? Mas simplesmente não consigo parar o que estou fazendo, ler um pouco e voltar. Não sei se e o silêncio, ou se preciso criar uma rotina (um horário definido). No momento eu continuo lendo quando pego ônibus/metrô/trem, o que acontece de 2 a 3 vezes por semana. Ou seja, a leitura está bem atrasada.

3. Disponibilidade: eu não larguei o trabalho no escritório com a única 'desculpa' de tocar o blog e escrever mais guias. Eu queria também ter mais tempo de fazer outras coisas, como ir a eventos e exposições, explorar a cidade e encontrar um monte de gente. Mas gente, esse lance de tempo é relativo né? Eu continuo sem tempo! Sempre que acho que terei uma semana mais tranquila, aparecem mil compromissos. É muito louco isso! Olha, dinheiro não tem entrado muito, mas coisa pra fazer é o que não falta.

É isso. Esse é um post sem conclusão mesmo, só pra compartilhar pensamentos! : )

Martin Vlogueiro


Há muitos anos que o Martin abandonou esse barco, quer dizer, esse blog. Mas ultimamente ele anda metido a vlogueiro (influenciado pelo Casey Neistat, o qual ele assiste religiosamente TODOS OS DIAS) quando vamos viajar.

Aqui estão os dois vídeos que ele fez das nossas férias na Sicília (são diferentes do vídeo que postei quando estava lá, aquele fui eu que editei). Ele vive me falando que eu deveria falar durante os vídeos, mas eu não tenho paciência (ainda que tente, por causa da profissão!). Então nossos vídeos, apesar de utilizarmos as mesmas filmagens, ficam completamente diferentes.

Já pensou se depois desses anos todos postando sobre viagens e tentando ganhar dinheiro assim quem fica rico é ele? Tomara!



Leitura: The Heart Goes Last, Margaret Atwood


Eu não curti o primeiro livro da Margaret Atwood que li (Surfacing), mas conheço tanta gente que gosta dela que resolvi dar uma nova chance. Que decepção! Tudo bem, reconheço que ela é uma grande escritora - até porque os dois livros são muito diferentes - mas não vou tentar de novo. Não é pra mim.

Como eu falei na postagem do Instagram, esse é um ótimo livro para as férias. É uma boa distração (correndo o grande risco de soar arrogante). E olha, até começa bem. Um casal que perdeu tudo (moram no carro e vivem de bicos) topa participar de um projeto que promete casa e trabalho para todos os participantes, dentro de uma cidade murada. Com um porém: um mês você vive 'normalmente' e no outro fica em uma prisão. Todos os participantes desse projeto tem que fazer isso, E, enquanto você está na prisão, outras pessoas estão na sua casa.

Aí o tal casal se envolve com o outro casal, os que habitam a casa quando eles estão presos e vice versa. Interessante, né? Pois é, só que a história não é essa, como promete a orelha do livro. Ela fica ruim, muito ruim. Envolve robôs construídos para prostituição (prostibots), uma mulher que se apaixona por um bichinho de pelúcia e afins.

Não gostei. Terminei de ler na viagem de volta da Sicília e deixei no avião. Quem sabe quem o herdou vai apreciar um pouco mais?

A photo posted by 👻 snap: helorighetto (@helorighetto) on

Un panino al salame


Uma música que tem na letra a frase 'um sanduíche de salame' não pode ser uma boa música. Mas o que fazer quando ela gruda na cabeça, já que nos acompanhou durante nossa viagem pela Sicília? Pois é, era entrar no carro e partir pro próximo destino que lá vinha ela.

Então hoje, depois de desfazer as malas e ir no supermercado pra repor a geladeira vazia, o sanduíche de salame está no repeat aqui em casa, pra nos lembrar dessas férias maravilhosas.


Uma semana em um minuto e meio!


Mais ou menos isso que fizemos nessa última semana... chegamos na metade da viagem!

Leave the gun. Take the cannoli.


Estou sonhando e planejando essa viagem para a Sicília desde o comecinho desse ano. Lembro que quando resolvemos tirar duas semanas de férias de verão (algo que nunca fizemos antes), a ideia era ir para Malta também (eu quero muito voltar lá com o Martin, pois fui sozinha em 2014 representando o Aprendiz de Viajante). Mas quando comecei a montar o roteiro percebi que em duas semanas mal daria tempo de conhecer uma delas.

Cefalù
Então, pra variar, escolhemos a Itália. Ah, a Itália. A gente sempre acaba vindo pra cá (o pior é que já estamos pensando nas férias do ano que vem. E adivinhem? Eu quero Itália de novo. Não é muito difícil convencer o Martin quando temos Aperol Spritz e salada caprese em jogo), e sempre nos surpreendemos.

Taormina
Já estamos no dia 6 de uma viagem de 15 dias, e se eu tivesse que voltar pra casa hoje já teria razões suficientes pra voltar. Pode ser o sol de rachar, o mar cristalino, a média de dois Aperol Spritz por dia, a receptividade dos sicilianos, a cerâmica, os cannoli. Ah, os cannoli.



Eu e Martin já estamos aqui pensando na casa que vamos comprar em Cefalù e no boteco de Aperol Spritz que vamos abrir em uma das ruas do centro histórico. Sonhar é preciso! 

Brexit


Ontem a atmosfera em Londres era otimista. Vi dezenas de pessoas na rua que, como eu, usavam o adesivo 'I'm in!' colado na roupa. O mercado financeiro estava confiante na vitória do Remain, e quando a contagem dos votos começou as 10 da noite tudo parecia encaminhado a nosso favor.

Aí eu acordei hoje.



Eu acordei hoje com a notícia de que a Inglaterra e o País de Gales, lugares que eu amo tanto, não querem mais brincar de União. A Escócia e a Irlanda do Norte tentaram nos ajudar, mas não foi o suficiente. Londres também votou para ficar, mas como a gente já sabe, Londres não reflete o restante da Inglaterra.

Processar essa informação é muito difícil, Estou trocando muitas mensagens com as amigas que moram aqui, e estamos todas arrasadas. Sinto-me enganada, traída, deslocada. Eu não apenas moro aqui, mas Londres é minha renda. Eu promovo essa cidade - e todo o Reino Unido - por que eu achava que não havia no mundo um lugar melhor, mais receptivo, mais cheio de misturas.

Desde o dia 5 de dezembro de 2008, quando cheguei, me senti em casa. Tanta gente me pergunta por que eu gosto tanto daqui, e essa sempre foi a minha resposta: eu me encontrei aqui. Infelizmente, hoje não é o que eu sinto.

Essa votação vai além das burocracias de deixar a União Européia, e mexem com o coração das pessoas que escolheram viver aqui. Até podem existir outros motivos para os britânicos terem votado Leave, mas todo mundo sabe que imigração era o pilar dessa campanha. Como me sentir bem vinda? Como ficar se mais de 50% da população prefere que eu vá?



Dispenso comentários falando que estou levando isso pro lado pessoal. Esse referendo sempre foi pessoal. Sempre foi nós contra eles. E gera algo muito pior que a desvalorização da libra: gera um momento de vitória para os extremistas de direita do mundo inteiro.

O que fazer?

Estávamos caminhando tão bem para um mundo globalizado, sem fronteiras, de oportunidades iguais. Onde a gente não precisa morar no lugar onde nasceu e onde podemos conversar com pessoas que vieram do outro lado do mundo. Mas nossos líderes falham em suas tarefas, e convertem a frustração da população em medo, gerando então o nós contra eles.

O futuro aqui é incerto. Tudo que eu investi em Londres, meu tempo, meu dinheiro, meu amor, parece não valer nada. O nó na garganta vira choro ao assistir o discurso vitorioso de um político nojento, que acusa imigrantes de extorsão no sistema de benefícios e engana os britânicos com números mentirosos.

O Reino Unido está fora. A Inglaterra está isolada. O Primeiro Ministro que usou esse referendo como massa de manobra deu um tiro no pé, renunciou. Pra ele nada muda. A Escócia deve ter novo referendo para independência (e dessa vez estou do lado deles). Apesar de na prática nada mudar nos próximos meses, nós imigrantes sabemos que muita coisa mudou.

Veja o que a minha amiga Liliana, que mora aqui há mais tempo que eu, também tem a dizer sobre isso. E aqui o que a Nathalia, que é casada com um inglês e está aqui como esposa (e não como europeia) tem a acrescentar.




Vem ser feminista comigo

Eu e a Renata estamos há 7 meses tocando o Conexão Feminista, e esse projeto me anima mais e mais a cada hangout. Cada vez que conversamos, seja entre nós mesmas ou com convidados (sabia que temos uma seção chamada Conexão Paralela?) me sinto mais inspirada e com mais vontade de continuar batalhando.

Então tive a ideia de fazer um vídeo colaborativo, com a participação de várias mulheres. Do que se trata: queremos que vocês mandem um vídeo pra gente, contando como foi que se descobriram feministas. Pode ser filmado com o celular mesmo, e é pra ser algo curto, de 2 minutos mais ou menos. Quando eu tiver vários depoimentos, vou colar tudo num vídeo só e colocar no nosso canal do YouTube.

Recebo mensagens de tanta gente falando que está adorando o Conexão, que acompanham nossos hangouts e postagens no Facebook, que acho que temos que abrir nossa plataforma e dar voz pra mais mulheres. Então, que tal? Topa?

Pra quem gostou da ideia, mande o vídeo para conexaofeminista1@gmail.com

Eslovênia


Quando cheguei de Barcelona, recebi um convite para ir para a Eslovênia numa 'blog trip' (eu já falei um pouco sobre o que é isso aqui e aqui) que aconteceria em poucos dias. A ideia a princípio não me animou muito: não apenas eu estava querendo ficar sossegada em casa com o Martin depois de 10 dias viajando por Barcelona, como também teria que desfazer alguns compromissos e agilizar uns trabalhos. Isso porque tenho uma outra viagem marcada no fim de junho (já planejada há meses, e dessa vez com o Martin!), o que me daria pouco tempo pra deixar a vida em dia pós Barcelona.

Mas o convite era tentador demais pra deixar passar, e também uma ótima oportunidade profissional. Afinal, foi pra isso que eu larguei o trabalho no escritório, não é mesmo? Dar uma chance pra vida de blogueira de viagem.

Lá fui eu com outros 5 bloggers para a Eslovênia. Uma programação intensa (como geralmente acontece em viagens desse tipo): muitas cidades, muitas atividades. Acordar cedo, dormir tarde, conhecer restaurantes, hotéis e prestadores de serviços. Muito tempo em uma van, indo de um lado pro outro.

Mas o resultado foi positivo. Não apenas me dei super bem com todos os outros blogueiros, como curti demais toda a viagem. Não esperaca que a Eslovênia fosse um país tão bonito, que oferece um gazilhão de atividades e atrações. Comi muito bem, vi paisagens maravilhosas (veja a hashtag #advnaeslovenia para ter uma ideia), fiz rafting, caminhadas e conheci pessoas muito gente fina. Estou cheia de ideias de posts, muitos vídeos e fotos para editar e com aquela sensação de 'ainda bem que eu fui'.

Tomara que venham muitas viagens por aí, e que sejam com pessoas tão legais quanto eles: Pedro, Dante & Alex, Catherine e Geoff.